[Tradução] Jack Jones’ Diary – Rosario, Argentina

[Tradução] Jack Jones’ Diary – Rosario, Argentina

Jack Jones’ Diary
Argentina – Rosario (o local de nascimento do glorioso Messi)
El Galpón de la Música
27 de Maio

Tradução

SÁBADO. Eu não consigo andar direito. Eu estou andando por aí como Liam Gallagher com um caso sério de hemorroidas. A dor na minha perna não vale um celular (estava todo ferrado de qualquer jeito) e agora eu queria ter deixado os malditos levarem. Mas eu vou canalizar toda a dor no show de hoje à noite. Dor é poder – se você ousar usá-la.

O Peter convidou alguns fãs que esperaram do lado de fora do hotel para irem no ônibus na viagem de 5 horas até Rosario. Eles são todos muito gentis e inteligentes… um deles pega no sono na minha guitarra no fundo. Eu passo horas conversando com algumas meninas sul americanas muito bonitas. A viagem passa rápido. Palmeiras alinham-se na estrada deserta conforme o céu vai ficando vermelho. É como uma terra mágica. Eu me sinto sortudo.

Eu fico encarando um cachorro de rua e, de repente, nós vemos o monumento argentino. A estátua que está na bandeira deles. Está iluminada como um parque de diversões. No passeio, tem pessoas pescando. Que tipo de peixe eles têm na Argentina? Alguém vai pegar um tubarão branco? Eu fico olhando por um tempo, mas ninguém pega nada. Eu aposto que assim que eu olhei para outro lado, um deles pegou um tubarão.

O Peter me conta uma história sobre como os exploradores espanhóis foram comidos por canibais quando vieram para a América do Sul pela primeira vez. Eu rio do que eu penso ser mais uma das histórias malucas do Peter, mas verifico no celular da Miki para descobrir se é verdade… espero que não aconteça isso com a gente hoje à noite.

Nós chegamos à casa e dizemos “olá” para os fãs incríveis do lado de fora. Dentro da casa, os equipamentos estão montados de uma forma estranha. Meu amplificador está quebrado, o teclado da Katia parece uma nave espacial que soa, nas palavras dela, “como “uma ereção que deu errado” e a bateria do Rafa está sendo limpa com papel higiênico. Parece uma cena de uma sala de ensaios em Swansea… só que sem as garrafas de urina espalhadas.

Não tem comida no camarim, mas tem um cara fazendo cerveja caseira. Então está tudo bem.

Eu estou me sentindo meio abatido e frágil como você pode imaginar… quando subimos ao palco, eu sou recebido pelas boas vindas de fãs da Trampolene que jogam uma bandeira no palco, que me acerta e eu coloco ela nos ombros. Eu fico me perguntando sobre a Trampolene e se o álbum vai fazer sucesso. Alguém se importa? Nós somos uma banda de verdade, não uma banda perfeita, mas eu não mudaria nada.

No ano passado, quando eu fiz o meu primeiro show na Argentina com o Peter, eu pulei na plateia e tive minha camisa feita em pedaços, mas hoje a camisa retorna em vários pedaços como pulseiras e bandeiras… fãs os vestem com orgulho. Eu sinto o amor e o apoio e a minha fragilidade vai embora – apesar de eu continuar sem conseguir andar direito.

O show de hoje é uma loucura. O Peter tem estado tão empolgado desde que chegou na América do Sul, que ele não dormiu. Hoje à noite ele está correndo e dançando e dizendo o nome de canções no palco como uma pessoa louca que pôde sair do hospício por algumas horas. O show foi brilhante e divertido. Por que não seria com o Peter com esse humor?
Depois eu fiquei e conversei com novos e velhos amigos pelo máximo de tempo que eu pude – eu amo todos vocês – mesmo os caras que me beijaram… eu não estava esperando por isso. Mas obrigado.
A viagem de volta para o hotel parece mais rápida e nós paramos numa hamburgueria para comer. Eu desisti de ser vegetariano na América do Sul. Não tenho autocontrole suficiente e é muito difícil encontrar algo que eu goste. Eu peço o especial da pátria de chouriço – é muito bom.

Aviso sincero. Já é quase de manhã. Todo mundo está dormindo nos braços de outra pessoa. É muito bonito e exatamente como deveria ser… sem barreiras entre fãs e amigos… O mesmo cara está dormindo com a minha guitarra. Guardando os riffs do futuro. Eu esqueço a dor na minha perna. A vida é doce quando está cheia de hormônios.

Jack (perna ruim) Jones
xxxxx

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *